sábado, 10 de setembro de 2016

DataFolha: Capitão Wagner e a Classe Média Popular



O prefeiturável Capitão Wagner (PR) venceu a limitação financeira do início de sua campanha e tem apresentado um crescimento consistente nos setores populares e na classe média baixa de Fortaleza. Capitão Wagner criou empatia com o cidadão-eleitor fortalezense da periferia, em função da identificação social com sua origem humilde, através das peças publicitárias. O candidato republicano não é populista, mas tem o discurso político-eleitoral com característica popularesca, por causa do tema violência urbana.


Os analistas políticos foram quase unanimes nas críticas negativas, em relação às primeiras peças publicitarias da campanha do prefeiturável Capitão Wagner (PR), em função da massificação da informação da origem dos seus pais e da sua família,  tema da sua campanha nas primeiras duas semanas do horário eleitoral, mas o fato é que o mesmo superou a pobreza através dos estudos e dos concursos públicos. O cidadão-eleitor fortalezense com renda econômica de 0 até 2 salários mínimos é a grande maioria nas regiões com IDH de nível muito baixo nas periferias, que acabou por se identificar com o próprio candidato republicano e os seus pais. O representante da classe média de Fortaleza que ganha entre 2 até 5 salários mínimos se identificou, com a superação das dificuldades do Capitão Wagner (PR) conseguida através do seu esforço, trabalho e estudo.

Luiz Cláudio Ferreira Barbosa

A segunda pesquisa Datafolha-O Povo trouxe o crescimento do prefeiturável Capitão Wagner (PR) de quase 17% ou 20%  no segmento social com renda de 2 até 5 salários mínimos, pois saiu de 10% para 27%  ou 13% para 30% dentro da margem de erro de 3% na metodologia do Datafolha. Capitão Wagner (PR) também cresceu no segmento de 0 até 2 salários mínimos, com capacidade de aumentar, na próxima pesquisa, os seus percentuais nas consultas eleitorais. No quadro geral o candidato republicano tem 24% ou 27% dos votos válidos. 


O cidadão-eleitor fortalezense da nova classe média está desencantado com os atuais governantes e os partidos de perfil ideológico de esquerda, como resposta política-eleitoral prefere uma candidatura de partido de direita que tenha histórico através da meritocracia e a não intervenção estatal, com discurso de combate à violência urbana. O prefeiturável Capitão Wagner (PR) poderá crescer nos próximos dias através da vinculação de sua imagem com o senador Tasso Jereissati (PSDB).



Luiz Cláudio Ferreira Barbosa, sociólogo e consultor político

Fortaleza, 10 de Setembro de 2016



4 comentários:

  1. Parabéns pela matéria, ao contrário que vemos da verdes mares uma antipatia pelo Capitão, o eleitor está querendo algo novo, não quer voltar para o passado e nem continuar com o mesmo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agradeço por sua opinião, meu nobre amigo e comentarista

      Excluir
  2. Gostei da Matéria também, estou ganhando uma admiração cada vez maior pelo candidato Capitão Wagner, pela energia de trabalho e de liderança que esse homem possui, não sei se essa é a palavra certa, mas esse homem possui um poder de transmitir esperança ... e pelo jornalista venho acompanhando suas matérias de um tempo pra cá, e minha admiração é pelo fato de falar com detalhes o assunto, de mostrar imparcialidade na mesma matéria que critica também sabe elogiar os pontos positivos. meus parabéns!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É difícil essa imparcialidade nessa época de confronto de ideias e das argumentações.A candidatura do prefeiturável Capitão Wagner (PR) pode surpreender na próxima pesquisa do Ibope-Verdes Mares.

      Excluir